Males

Mulheres

No começo da década de 80 foi divulgado o célebre estudo de Hirayama, no Japão, que avaliava a incidência de câncer de pulmão em pessoas que nunca haviam fumado. Esse estudo pioneiro, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa do Centro Nacional de Câncer, avaliando mais de 100 mil mulheres, demonstrou que esposas de fumantes apresentavam incidência dobrada de câncer pulmonar, quando comparadas às mulheres casadas com não fumantes.

Exposição de mulheres não fumantes ao fumo passivo, durante a gravidez, pode causar redução no crescimento fetal. Também existem evidências de que a exposição pós-natal de crianças ao fumo passivo contribui para o risco de síndrome de morte súbita infantil.

Quando a mulher fuma durante a gravidez, aumenta o risco de abortos espontâneos, nascimentos prematuros, bebês de baixo peso e de mortes fetais.

Crianças

A criança pode ser um fumante passivo desde a vida intra-uterina se a mãe ou algum outro agregado da casa for consumidor de cigarro. Essas crianças, vivendo em ambiente poluído pelo tabaco, passam a sofrer vários tipos de prejuízos, porque são particularmente sensíveis à poluição atmosférica provocada pela fumaça do cigarro.

O bebê que respira a fumaça do cigarro apresenta um risco maior do que os bebês de mães que não fumam de desenvolver bronquite, pneumonia e infecções respiratórias em geral. Os filhos cujas mães fumam durante a gestação tem maiores riscos de prejuízos no desenvolvimento, que pode se refletir no rendimento escolar.

Doenças

Mortes por doenças do coração, bem como aquelas provocadas por doenças do pulmão e câncer da cavidade nasal, também têm sido associadas à exposição ao fumo passivo.

O tabagismo passivo é uma combinação complexa de mais de 4.700 substâncias químicas na forma de partículas e gases, incluindo irritantes e tóxicos sistêmicos tais como cianeto de hidrogênio, dióxido sulfúrico, monóxido de carbono, amônia, e formaldeído. A fumaça de segunda mão também contém carcinógenos e mutagênicos tais como arsênico, cromo, nitrosamidas e benzopireno, sendo que muitas dessas substâncias químicas são tóxicas reprodutivas, tais como a nicotina, cadmium e monóxido de carbono.

A fumaça do cigarro também é uma importante fonte de poluição do ar interno, causando efeitos imediatos em fumantes passivos e ativos, tais como irritação ocular e nasal, dor de cabeça, dor de garganta, vertigem, náusea, tosse e problemas respiratórios.

Fonte: Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo